Papel de agricultura familiar na mitigação dos impactos ambientais: uma revisão sistemática de literature

Publicado 2022-01-12

  • Lourenço Manuel da Gama Silva Cardoso
  • ,
  • Romário Nunes da Silva
  • ,
  • Luciano Pires de Andrade


PDF

Palavras-chave: Resiliência Ambiental, Produção Sustentável, Meio Ambiente, Consumismo

Resumo

O objetivo do presente trabalho, foi de descrever a importância e o papel da Agricultura Familiar na mitigação dos impactos ambientais. A metodologia, embasou-se na pesquisa de caráter qualitativa exploratória e, na revisão sistemática de literatura, com critérios de inclusão e exclusão das literaturas pesquisadas nas bases de dados científicos: Google acadêmico, Scielo, BDTD, Scopus, Web of Science e artigos da Nature food. Com recorte temporal dos artigos publicados desde a primeira reunião das ONU sobre clima em 1972 a 2022. Para seleção dos artigos, foram utilizados os termos indexadores e operador booleano em português e inglês (“Agricultura familiar” e “meio ambiente”; “Family farming” and Environmente). Os resultados apontam que este modelo agrícola tem desempenhado um papel de extrema relevância na mitigação dos impactos ambientais causados pelas ações antrópicas, através das suas capacidades inventivas de adaptar de forma resiliente aos tais impactos.


Referências

  1. ALTEMBURG, S. G. N. (2011). A percepção ambiental dos agricultores vinculados a uma Rede de Referência em agricultura familiar: uma análise sobre as práticas agroecológicas e a qualidade de vida. 2011. Dissertação (Mestrado em Sistemas de Produção Agrícola Familiar) - Faculdade de Agronomia Eliseu Maciel, Universidade Federal de Pelotas, Pelotas. http://www.guaiaca.ufpel.edu.br/handle/123456789/2429.
  2. ALTIERI, M. A. & NICHOLLS, C. I (2013). The adaptation and mitigation potential of traditional agriculture in a changing climate. Springer Science+Business Media Dordrecht. https://link.springer.com/article/10.1007/s10584-013-0909-y.
  3. ALTIERI, M. (2012). Agroecologia: bases científicas para uma agroecologia sustentável. Editora: AS-PTA. 3ª Ed. Revista e ampliada. Rio de Janeiro, p. 1 46.
  4. CARDANO, M. (2017). Manual de pesquisa qualitativa. A contribuição da teoria da argumentação. Editora Vozes Ltda. Rua Frei Luís, 100 25689-900 Petrópolis, RJ-Brasil. p. 15.
  5. COMIN, F. H. (2013). Conservação ambiental em paisagens agrícolas: relações entre uso da terra e meio ambiente na bacia hidrográfica do Corumbataí, Estado de São Paulo, Brasil. 2013. Tese (Doutorado em Ecologia Aplicada) - Ecologia de Agroecossistemas, Universidade de São Paulo, Piracicaba. Doi: 10.11606/T.91.2013.tde-24062013-141246.
  6. LIMA FERREIRA, C. A. et al. (2016). DOS IMPACTOS AMBIENTAIS POR ATIVIDADES AGRÍCOLAS. Revista Pesquisa e Ação, v. 2, n. 3, 2016.
  7. GALVÃO, M. C. B. e RICARTE, I. L. M. (2020). REVISÃO SISTEMÁTICA DA LITERATURA: CONCEITUAÇÃO, PRODUÇÃO E PUBLICAÇÃO. LOGEION: Filosofia da informação, Rio de Janeiro, v. 6 n. 1, p.57-73. DOI: https://doi.org/10.21728/logeion.2019v6n1.p57-73
  8. LOURENÇO, F. de S. (2010). Ambiente e agricultura: uso da terra pela agricultura familiar e modificações na paisagem no município de Itacoatiara- Manaus: UFAM.
  9. LOUREIRO, C. F. B.; PEREIRA, C. S.; ACCIOLY, I. B.; COSTA, R. N. (2015) (org.). Pensamento Ambientalista numa sociedade em crise. - Macaé: NUPEM/UFRJ.
  10. PESSINI, L., & SGANZERLA, A. (2016). Evolução histórica e política das principais conferências mundiais da ONU sobre clima e meio ambiente. Revista Ibero-Americana de Bioética, (1), 1-14. Doi: https://doi.org/10.14422/rib.i01.y2016.009.
  11. POTT, C. M.; ESTRELA, C. C. Histórico ambiental: desastres ambientais e o despertar de um novo pensamento. Estudos avançados, v. 31, p. 271-283, 2017. Doi: https://doi.org/10.1590/s0103-40142017.31890021. Disponível em: https://www.scielo.br/j/ea/a/pL9zbDbZCwW68Z7PMF5fCdp/?lang=pt&for.
  12. PROCLIMA (2022). – Programa Estadual de Mudanças Climáticas do Estado de São Paulo. https://cetesb.sp.gov.br/proclima/conferencias-internacionais-sobre-o-meio-ambiente/.
  13. RAMBO, J. R.; TARSITANO, M. A. A.; LAFORGA, G. (2016). Agricultura familiar no Brasil, conceito em construção: trajetória de lutas, história pujante. Revista de Ciências Agroambientais, v. 14, n. 1.
  14. RIPPLE, W. J. et al. (2020). Corrigendum: World scientists’ warning of a climate emergency. BioScience, v. 70, n. 1, p. 100-100. DOI: https://doi.org/10.1093/biosci/biz152. https://academic.oup.com/bioscience/article/70/1/100/5670749?login=false
  15. ROSA, K. de O. A. (2019). Avaliação de impacto ambiental em propriedades de agricultura familiar no Cerrado brasileiro. 2019. Dissertação (Mestrado). (Programa de Pós-Graduação em Engenharia Aplicada e Sustentabilidade do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Goiano) – Campus Rio Verde – Área de Concentração em Eficiência Energética e Sustentabilidade. 2019. https://repositorio.ifgoiano.edu.br/handle/prefix/647
  16. SHIMADA, W. K. (2015). Tendências da agricultura orgânica familiar: fatores que influenciam a produção e comercialização. Dissertação (Mestrado em Agronegócio) – Faculdade de Administração, Ciências Contábeis e Economia, Universidade Federal da Grande Dourados, Dourados, 2015. http://repositorio.ufgd.edu.br/jspui/handle/prefix/1515.
  17. SANTANA, A. P. S. de (2019). Aspectos da sustentabilidade nas explorações do milho em assentamentos rurais no Centro Oeste de Sergipe – São Cristóvão, SE.
  18. SILVA, A. C. A. B. da (2015). Reflexões acerca do ambientalismo: as Conferências Oficiais da ONU no Brasil. In: Pensamento Ambientalista numa sociedade em crise. LOUREIRO, Carlos Frederico Bernardo; PEREIRA, Celso Sánchez; ACCIOLY, Inny Bello; COSTA, Rafael Nogueira. (Org) - Macaé: NUPEM/UFRJ.
  19. SILVA, T. M. M. da (2016). Sustentabilidade do sistema agrícola com milho em agricultura familiar em Simão Dias-SE. p. 17. - Universidade Federal de Sergipe, São Cristóvão, 2016. http://ri.ufs.br/jspui/handle/riufs/4229.
  20. TILMAN, D.; CLARK, M. (2014). Global diets link environmental sustainability and human health. Nature, v. 515, n. 7528, p. 518-522. https://foodsecurity.tau.ac.il/sites/lifesci_en.tau.ac.il/files/media_server/food%20security/intro2019/readings/Marcelo_nature13959.pdf
  21. WANDERLEY, M. de N. B. (2014). O campesinato brasileiro: uma história de resistência. Revista de economia e sociologia rural, v. 52, p. 25-44, Brasília- DF. DOI: https://doi.org/10.1590/S0103-20032014000600002. https://www.scielo.br/j/resr/a/4Hn3FCvFdb9VBYwSwJfKSGJ/abstract/?lang=pt.

Como Citar

Cardoso, L. M. da G. S., Silva, R. N. da, & Andrade, L. P. de. (2022). Papel de agricultura familiar na mitigação dos impactos ambientais: uma revisão sistemática de literature. Brazilian Journal of Biological Sciences, 9(20), 18–34. https://doi.org/10.21472/bjbs.v09n20-002

Baixar Citação

Palavras-chave

Edição Atual