Indicadores antropométricos e de aptidão física nos escalões de formação no atletismo na Província de Maputo

Publicado 2023-03-23

  • Francisco Almeida Tchonga
  • ,
  • Baptista Foscoro Capatania
  • ,
  • Félix Salvador Chavane
  • ,
  • Linda Mucavel
  • ,
  • Natália Madalena Rinaldi


PDF

Palavras-chave: Atletismo, Antropometria, Aptidão Física, Nível de Treinamento

Resumo

Atualmente, é uma necessidade para o desenvolvimento prospetivo do atletismo, a caracterização precoce dos praticantes desta modalidade de acordo com etapas de treino. A presente pesquisa adquire maior importância com base nos indicadores que permitem uma avaliação oportuna na aptidão física e antropométrica  na respetiva orientação dos praticantes nas diferentes etapas da formação. O objetivo é de averiguar a influência das medidas antropométricas e indicadores aptidão física na seleção dos atletas para escalões de formação na Província de Maputo em Moçambique. Foram envolvidos 19 atletas do escalão de iniciação no atletismo, da província de Maputo em Moçambique, com idades entre 11 a 16 anos (10 masculinos e 9 femininos) provenientes da zona periurbana. Foram coletadas variáveis Sociodemográficas (idade, sexo, zona de residência e nível de escolaridade), Antropométricas (peso corporal, altura e a cintura) e Aptidão Física (resistência abdominal, impulsão horizontal, suspensão na barra). Recorreu-se á estatística descritiva para extrair e comparar as percentagens, o qui-Quadrado para comparar as categorias das variáveis sociodemográficas. Todas análises foram feitas no software SPSS versão 22 com intervalo de confiança de 95%. Os resultados mostram 70% dos atletas do sexo masculino com baixo peso com melhor classificação (Bom) para a impulsão horizontal e o sexo feminino apresentaram dados no sentido inverso, (80%) com peso normal. No teste de suspensão na barra, os atletas do sexo masculino foram classificados como excelentes em relação as raparigas. Os atletas do sexo masculino com baixo peso tende apresentaram melhor  classificação na resistência abdominal (Bom=62.5% e Excelente=66.7%) em relação ao sexo feminino (Bom=66.7% e Excelente=60.0%) com peso normal. Quanto ao perímetro da cintura, os atletas do sexo masculino são classificados com baixo peso (63.6%) e do sexo feminino com peso normal (62.5%), posiciona-os na zona saudável. O estudo concluiu que a prática do atletismo não esta influenciar nos indicadores antropométricos e na aptidão física desta população do estudo. O Índice de Massa Corporal (IMC) não foi determinante para influenciar mudanças nos resultados.


Referências

  1. ANDREASI, Viviane et al., 2010. Aptidão física associada às medidas antropométricas de escolares do ensino fundamental TT - Physical fitness and associations with anthropometric measurements in 7 to 15-year-old school children. J. pediatr. (Rio J.). Vol. 86, no. 6.
  2. ARAUJO JALLYSON, Ferreira Alan, Melo Juliana, Gonçalves Celina, 2022. Fatores que determinam a adesão ao atletismo: um estudo comparativo entre Brasil, Portugal e Espanha. Revista Intercontinental de Gestão Desportiva. Vol. 12.
  3. ARROYO CHACÓN, Jennifer Isabel, 2018. Los códigos de ética y los códigos de conducta en la promoción de la ética organizacional. Revista Nacional de Administración. Vol. 9, no. 1, pp. 87–103. DOI 10.22458/rna.v9i1.2104.
  4. BAUCE, Gerardo and MOYA-SIFONTES, Mary Zulay, 2020. Índice Peso Circunferencia de Cintura como indicador complementario de sobrepeso y obesidad en diferentes grupos de sujetos. Revista Digital de Postgrado. Vol. 9, no. 1. DOI 10.37910/RDP.2020.9.1.e195.
  5. BEZERRA, Marcos Antonio Araujo et al., 2020. O ensino do atletismo nas aulas de
  6. educação física. Educationis. Vol. 8, no. 2. DOI 10.6008/cbpc2318-3047.2020.002.0005.
  7. BIVE, Madalena Tirano and PESSULA, Pedro António, 2018. Percepções sobre as relações de gênero em escolas de Moçambique: discurso e prática. MOTRICIDADES: Revista da Sociedade de Pesquisa Qualitativa em Motricidade Humana. Vol. 2, no. 3. DOI 10.29181/2594-6463.2018.v2.n3.p201-209.
  8. BUENO, Vanessa Cristina et al., 2007. Reabilitação em artrite idiopática juvenil TT - Rehabilitation in juvenile idiopathic arthritis. Rev. bras. reumatol. Vol. 47, no. 3.
  9. CAMPELO, Regina Celia Vilanova, 2019. Aptidão física relacionada com a saúde em crianças e adolescentes: validação de métodos para estudos epidemiológicos multicêntricos. São Paulo : Universidade de São Paulo. DOI 10.11606/T.5.2019.tde-16042019-161526.
  10. CARVALHO, Anderson dos Santos, 2019. Habilidades motoras fundamentais e nível de atividade física de crianças: um estudo com escolares do ensino fundamental. São Paulo : Universidade de São Paulo. DOI 10.11606/T.83.2019.tde-12092019-181029.
  11. DA SILVA COÊLHO MENDONÇA, Eliana, 2020. NÍVEL DE DESEMPENHO MOTOR E SUA RELAÇÃO COM APTIDÃO FÍSICA, ESTADO NUTRICIONAL E ESTADO MATURACIONAL DE ADOLESCENTES.
  12. DUARTE, Miguel Angelo et al., 2018. A INSATISFAÇÃO CORPORAL NA INFÂNCIA E INÍCIO DA ADOLESCÊNCIA. Pensar a Prática. Vol. 21, no. 1. DOI 10.5216/rpp.v21i1.42899.
  13. FERNÁNDEZ-ROMERO, Juan José, SUÁREZ, Helena Vila and CARRAL, Jose María Cancela, 2017. Selección de talentos en el balonmano: Análisis antropométrico y de rendimiento. Revista Brasileira de Medicina do Esporte. Vol. 23, no. 5. DOI 10.1590/1517-869220172305141727.
  14. FRANCISCO, Igor Joel Da Costa and ROTHER, Rodrigo Lara, 2021. IDENTIFICAÇÃO DE TALENTOS ESPORTIVOS NA ESCOLA. Revista Destaques Acadêmicos. Vol. 13, no. 2. DOI 10.22410/issn.2176-3070.v13i2a2021.2596.
  15. GARGANTA, Júlio, 2009. Identificação, selecção e promoção de talentos nos jogos desportivos: factos, mitos e equívocos. In J. Fernandez, G. Torres & A. Montero (Eds.), Actas do II Congreso Internacional de Deportes de Equipo. Editorial y Centro de Formación de Alto Rendimiento. Universidad de A Coruña [em CD-ROM], 2009. No. March.
  16. GARRINE NEVES, Arminda Cyrne, CASTRO MARCELO, Rolando and PÉREZ GUERRA, Edecio, 2022. Acções didáctica para o ensino-aprendizagem da Educação Física. Escola Primária “Albert Einstein”, República de Moçambique. Sociedad & Tecnología. Vol. 5, no. S2, pp. 402–414. DOI 10.51247/st.v5iS2.278.
  17. GAYA ANELISE et al., 2021. Projeto Esporte Brasil (PROESP-Br): Manual de medidas, testes e avaliações Versão 2021. 5. Porto Alegre : Universidade Federal do Rio Grande do Sul.
  18. GAYA, Anelise Reis et al., 2019. Sobrepeso e obesidade precoce e o risco à saúde cardiometabólica e musculoesquelética em crianças. Ciência & Saúde. Vol. 12, no. 1, p. 31888. DOI 10.15448/1983-652X.2019.1.31888.
  19. GUSMAN, Silvia et al., 2020. APLICAÇÃO DA ESCALA DE DESENVOLVIMENTO MOTOR EM CRIANÇAS COM TRANSTORNO DO ESPECTRO AUTISTA: UM ESTUDO EXPLORATÓRIO. CADERNOS DE EDUCAÇÃO, SAÚDE E FISIOTERAPIA. Vol. 7, no. 15. DOI 10.18310/2358-8306.v7n15.a7.
  20. HAUN, Danilo Ramos, PITANGA, Francisco José Gondim and LESSA, Ines, 2009. Razão cintura/estatura comparado a outros indicadores antropométricos de obesidade como preditor de risco coronariano elevado. Revista da Associação Médica Brasileira. Vol. 55, no. 6. DOI 10.1590/s0104-42302009000600015.
  21. JALOWITZHI, Diana Tonellotto et al., 2017. Indicadores antropométricos e de aptidão física: estudo comparativo entre escolares atletas e escolares não praticantes de atividades esportivas. Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício. Vol. 11, no. 65.
  22. KAMAHINA, Rina Samatovna et al., 2021. Organization of individual project activities with sports-gifted children. Revista on line de Política e Gestão Educacional. pp. 528–537. DOI 10.22633/rpge.v25iesp.1.14993.
  23. MARTELI, Leticia Nardoni and PASCHOARELLI, Luis Carlos, 2019. Pessoa idosa com doença de Parkinson e a relação da usabilidade na interação com aviamentos de fechos presentes no vestuário. Geriatrics, Gerontology and Aging. Vol. 13, no. 1, pp. 57–58. DOI 10.5327/Z2447-211520191900010.
  24. MATOS IMBERT, Ángela M. et al., 2021. Índice cintura-talla e índice de masa corporal como predictores de riesgo cardiometabólico en niños y adolescentes. Ciencia y Salud. Vol. 5, no. 2, pp. 77–85. DOI 10.22206/cysa.2021.v5i2.pp77-85.
  25. MIODUTZKI, Anderson et al., 2016. Antropometria e aptidão física: comparação entre praticantes e não praticantes de escolinhas esportivas. ARCHIVES OF HEALTH INVESTIGATION. Vol. 5, no. 4. DOI 10.21270/archi.v5i4.1331.
  26. NHAMITAMBO CESAR and CINGUALBRES REYNALDO, 2023. Retrospetiva do atletismo em Moçambique. . Vol. 20, no. 57, pp. 127–141.
  27. PEREIRA, José Augusto et al., 2013. Estudo comparativo entre o Modelo de Educação Desportiva e o Modelo de Instrução Direta no ensino de habilidades técnico-motoras do Atletismo nas aulas de Educação Física. Revista Portuguesa de Ciências do Desporto. Vol. 13, no. 2. DOI 10.5628/rpcd.13.02.29.
  28. RÉ, Alessandro Hervaldo Nicolai et al., 2005. Relações entre crescimento , desempenho motor , maturação biológica e idade cronológica em jovens do sexo masculino. Revista Brasileira de Educação Física e Esporte (Impresso). Vol. 19, no. 2.
  29. ROJO, Jeferson Roberto, 2023. Pedagogia do Atletismo. Olhar de Professor. Vol. 26. DOI 10.5212/olharprofr.v.26.21010.029.
  30. SCAPIN, Gislei José and COSTA, Leandra Costa da, 2020. Educação Física escolar: objetivos e estratégias para o ensino do atletismo. Motrivivência. Vol. 32, no. 63, pp. 01–19. DOI 10.5007/2175-8042.2020e71829.
  31. SILVA, Adaylso Gonçalves Veloso da, ALVARENGA, Rômulo Nogueira de Sousa and CARVALHO, Antônio Francisco Veras, 2022. Características físicas e antropométricas de atletas de futebol e a sua relação com a Prática desse esporte: uma revisão narrativa. Research, Society and Development. Vol. 11, no. 16, p. e594111638861. DOI 10.33448/rsd-v11i16.38861.
  32. SILVA, Eronilda Mariely dos Santos et al., 2022. Perfil e aspectos da composição corporal e prevalência de lesões esportivas em membros inferiores em atletas de basquetebol masculino: revisão integrativa. Research, Society and Development. Vol. 11, no. 8, p. e59111831565. DOI 10.33448/rsd-v11i8.31565.
  33. SILVA, Raísa Carvalho da et al., 2021. Predição do baixo desempenho motor por meio de indicadores antropométricos em crianças de oito a 10 anos. Revista Brasileira de Educação Física e Esporte. Vol. 35, no. 2. DOI 10.11606/issn.1981-4690.v35i2p353-362.
  34. SILVEIRA, Erika Aparecida et al., 2020. Acurácia de pontos de corte de IMC e circunferência da cintura para a predição de obesidade em idosos. Ciência & Saúde Coletiva. Vol. 25, no. 3, pp. 1073–1082. DOI 10.1590/1413-81232020253.13762018.
  35. SILVEIRA, Igor André Correa et al., 2023. RELAÇÃO ENTRE VARIÁVEIS ANTROPOMÉTRICAS E DE APTIDÃO FÍSICA EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES ESTRATIFICADOS POR SEXO. Arquivos de Ciências da Saúde da UNIPAR. Vol. 27, no. 1. DOI 10.25110/arqsaude.v27i1.2023.9114.

Como Citar

Tchonga, F. A., Capatania, B. F., Chavane, F. S., Mucavel, L., & Rinaldi, N. M. (2023). Indicadores antropométricos e de aptidão física nos escalões de formação no atletismo na Província de Maputo. Brazilian Journal of Biological Sciences, 10(22), 55–67. https://doi.org/10.21472/bjbs.v10n22-004

Baixar Citação

Palavras-chave

Edição Atual