Modelagem do crescimento inicial de clones de eucalipto

Publicado 2023-12-25

  • Karina dos Santos Falcão
  • ,
  • Filipe Valadão do Prado Cacau
  • ,
  • Edilson Urbano
  • ,
  • Isabeli Moraes de Oliveira


PDF

Palavras-chave: Ajuste de Crescimento, Modelo Matemático, Volume

Resumo

Este estudo avaliou o crescimento dos clones de eucalipto I-144 (Eucalyptus urophylla x Eucalyptus grandis) e 1277 (Eucalyptus camaldulensis x Eucalyptus sp.) no arranjo espacial de 3,0 x 1,8 (linhas triplas) + 9 m. A altura total (Ht), diâmetro a altura do peito (DAP) e volume por planta (v planta-1) foram avaliados dos 6 aos 20 meses de idade bimestralmente. O delineamento foi inteiramente casualizado, com dois tratamentos e três repetições. O v planta-1 foi estimado a partir da equação de Schumacher e Hall LnV = β0 + β1lnDAP + β2lnHt + e, ajustado para cada clone. Os modelos de crescimento ajustados foram disponibilizados pelo software Curve Expert 1.4. A avaliação do crescimento até os 20 meses de idade demonstrou não haver diferença de crescimento entre os clones I-144 e 1277 sugerindo a possibilidade de uso dos materiais genéticos indistintamente. O maior grau de ajustamento para variável DAP ocorreu para o clone 1277, selecionado o modelo MMF, com coeficiente de correlação (rŷy) e erro-padrão dos resíduos (Syx) de 0,958 e 0,581. Para a variável Ht, o clone I-144 apresentou o melhor grau de ajustamento para o modelo MMF com valores de (rŷy) 0,969 e (Syx) 0,828. Para a variável v planta-¹, o clone I-144 apresentou melhores resultados através do modelo Gompertz, com (rŷy) de 0,947 e (Syx) de 0,0059. O clone 1277 apresentou valores semelhantes para o modelo quadrático, com (rŷy) de 0,946 e (Syx) de 0,0056. Independente do clone avaliado, o modelo quadrático foi o que apresentou os melhores resultados de ajuste para a variável v ha-¹, entretanto o melhor grau de ajustamento ocorreu para o clone 1277, com valores calculados para (rŷy) e (Syx), de respectivamente 0,994 e 2,246.


Referências

  1. ABREU, E. C. R.; SCOLFORO, J. R. S.; OLIVEIRA, A. D.; MELLO, J. M.; KANEGAE, H. J. Modelagem para prognose precoce do volume por classe diamétrica para Eucalyptus grandis. Revista Scientia Forestalis, Piracicaba, n.61, p.86-102, jun, 2002.
  2. Associação Brasileira De Produtores De Florestas Plantadas. Anuário estatístico, ano base 2012. ABRAF: Brasília, 2013.
  3. CAUSTON, D.R.; VENUS, J.C. The biometry of plant growth. London, Edward Arnold, 1981.
  4. BESSERER, Arnaud et al. Cascading recycling of wood waste: A review. Polymers, v. 13, n. 11, p. 1752, 2021.
  5. BINKLEY, Dan et al. Variation in whole-rotation yield among Eucalyptus genotypes in response to water and heat stresses: The TECHS project. Forest Ecology and Management, v. 462, p. 117953, 2020.
  6. BOSI, Cristiam et al. APSIM model performance in simulating Piatã palisade grass growth and soil water in different positions of a silvopastoral system with eucalyptus. Agricultural Systems, v. 195, p. 103302, 2022.
  7. BUFORD, M. A; MCKEE, W. H. Relating site index of natural Loblolly Pine on the Lower Coastal Plain to some enviromental factors. In: BIENNIAL SOUTHERN SILVICULTURAL RESEARCH CONFERENCE, 6., Menphis, Tennessee, 1988. Proceedings ... Menphis, Tennessee, 1988. v.1, p.495-498.
  8. BORGES, Marcus Vinicius Vieira. Seleção de clones de eucalipto por meio da curva de crescimento: idade técnica de corte, idade de aceleração máxima e produtividade máxima. Dissertação (Mestrado em Ciências Florestais), Universidade Federal de Viçosa, 59 p. Viçosa – MG, 2023.
  9. CAMPOS, J.C.C.; LEITE, H.G. Mensuração florestal: perguntas erespostas. 5.ed. Viçosa: UFV, 2017. 363p.
  10. CIFUENTES-JARA, Miguel. Aboveground biomass and ecosystem carbon pools in tropical secondary forests growing in six life zones of Costa Rica. Oregon State University, 2008.
  11. CAMPOE, Otávio C. et al. Climate and genotype influences on carbon fluxes and partitioning in Eucalyptus plantations. Forest Ecology and Management, v. 475, p. 118445, 2020.
  12. CARVALHO, S. P. C.; CALEGARIO, N.; SILVA, F. F.; BORGES, L. A. C.; MENDONÇA, A. R.; LIMA, M. P. Modelos não lineares generalizados aplicados na predição da área basal e volume de Eucalyptus clonal. Cerne, Lavras, v. 17, n. 4, p. 541-548, out./dez. 2011
  13. EISFELD, R; L.; SANQUETTA, C. R.; ARCE, J. E.; MAESTRI, R.; WEBER, K. S. Modelagem do crescimento e da produção de Pinus taeda l. por meio de função probabilística. FLORESTA, v. 35, n. 2. Curitiba – PR, 2005.
  14. IBÁ – Indústria Brasileira de Árvores. Relatório annual, ano base de 2022. IBÁ: BRASÍLIA – DF, 2023.
  15. NETO, T. P. P. Comparação de modelos lineares e não lineares em relações hipsométricas para clones de Eucalyptus spp., no pólo gesseiro do Araripe-PE.2012. 59 p. Dissertação (Mestrado em Ciências Florestais) - Universidade Federal Rural de Pernambuco. Recife, 2012.
  16. PEREIRA-SILVA, Erico FL et al. Carbon ecosystem services and cellulose income from natural and commercial forests in the Brazilian savanna. Forest Ecology and Management, v. 499, p. 119582, 2021.
  17. PEZZOPANE, José Ricardo Macedo et al. Managing eucalyptus trees in agroforestry systems: Productivity parameters and PAR transmittance. Agriculture, Ecosystems & Environment, v. 312, p. 107350, 2021.
  18. RESENDE, M.D.V.; ALVES, R.S. Linear, generalized,hierarchical, bayesian and random regression mixed models in genetics/genomics in plant breeding. Functional Plant Breeding Journal, v.3, n.2, 2020.
  19. RESENDE, M.D.V.; ALVES, R.S. Statistical significance, selection accuracy, and experimental precision in plant breeding. Crop Breeding and Applied Biotechnology, v.22, n.3, 2022.
  20. SALEKIN, Serajis et al. Hybrid height growth and survival model for juvenile Eucalyptus globoidea (Blakely) and E. bosistoana (F. Muell) in New Zealand. Forest Ecology and Management, v. 490, p. 119074, 2021.
  21. STAPPE, J. L. Utilização de delineamento sistemático tipo leque no estudo de espaçamentos florestais. 1995. 86 p. Dissertação (Mestrado em Ciências Florestal) - Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz.” Universidade de São Paulo, Piracicaba, 1995.
  22. STAPE, Jose Luiz; SILVA, C. R.; BINKLEY, Dan. Spacing and geometric layout effects on the productivity of clonal Eucalyptus plantations. Trees, Forests and People, v. 8, p. 100235, 2022.
  23. TEIXEIRA, Vinícius et al. Selection of eucalyptus genotypes for charcoal production based on using multivariate analysis. Journal of Analytical and Applied Pyrolysis, v. 179, p. 106444, 2024.
  24. TOMÉ, M.; RIBEIRO, F.; FAIA, S. Relação Hipsométrica geral para Eucalyptus globulus Labill. em Portugal. Silva Lusitana, v.15, n.1, p. 41-55, 2007.
  25. ZARONI, M. J.; AMARAL, F. C. S.; SILVA, E. F.; COELHO, M. R.; JÚNIOR, W. C.; BEHRING, S. B.; CHAGAS, C. S.; PEREIRA, N. R.; GONÇALVES, A. O.; DART, R. O.; AGILIO, M.; L.; D.; LOPES, C. H. L.; TAKAGI, J. S.; EARP, C. G. S. Zoneamento Agroecológico do município de Aquidauana – MS. Boletim de Pesquisa e Desenvolvimento. EMBRAPA. Rio de Janeiro-RJ, 2011. 63 p. (Documento 185).

Como Citar

Falcão, K. dos S., Cacau, F. V. do P., Urbano, E., & Oliveira, I. M. de. (2023). Modelagem do crescimento inicial de clones de eucalipto. Brazilian Journal of Biological Sciences, 10(23), 15–32. https://doi.org/10.21472/bjbs.v10n23-002

Baixar Citação

Palavras-chave

Edição Atual